Menu
21º min
32º min

20/02/2020 às 08h36

Preso por atirar em homem por briga de crianças disse que estava sendo ameaçado

Vítima teria dito que esposa era do PCC e que mataria a família do autor


Midiamax
Foto: Arquivo, Midiamax

Caso foi registrado na Depac Piratininga.

O funileiro de 42 anos preso por atirar contra um homem de 31 anos, por causa de uma briga entre crianças, noite desta terça-feira (18), em Campo Grande, no bairro Nathalia, disse em depoimento que só efetuou os disparos para defender a sua família que estava sendo ameaçada.

 

Em depoimento, ele disse que sua esposa teria ido tirar satisfação com o autor e sua companheira depois do filho do casal apanhar na casa da cuidadora onde ficam várias crianças. Sendo que o homem teria feiro ameaças de colocar fogo na residência do casal, caso eles não se mudassem do bairro.

 

Ainda segundo o depoimento, a vítima teria dito que sua mulher fazia parte da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) fazendo ameaças de morte ao casal. O funileiro contou que só fez os disparos contra o vizinho para defender a sua família. Ele passa por audiência de custódia nesta quinta-feira (20), onde deve ser determinada ou não a sua prisão preventiva.

 

A tentativa de homicídio aconteceu após uma briga entre os filhos do autor e da vítima, na casa da cuidadora um dia antes. A esposa do autor ainda teria agredido o filho da vítima, segundo o registro do boletim de ocorrência. Quando a vítima estava buscando seus filhos na casa da cuidadora, o autor chegou acompanhado de sua esposa e fez os disparos atingindo o tórax do homem, que foi socorrido e levado para o hospital.

 

Logo após o crime, o autor fugiu com sua esposa em um Ford Ka fornecendo o endereço para os policiais, sendo no bairro Vida Nova. O carro usado na fuga foi encontrado, assim como, a esposa do autor que contou que havia deixado seu marido na estrada.

 

Informações seriam de que ele havia se escondido na casa de sua mãe, em Rochedo. Quando os policiais chegaram a residência, a mãe do autor contou que ele estava na casa. O homem foi preso e disse que havia jogado a arma usada no crime na estrada. O revólver não foi encontrado pela polícia devido a escuridão.