Menu
21º min
32º min

01/04/2019 às 09h37

‘Não passa mais no Senado’, diz Kajuru sobre reforma da Previdência


Jovem Pan
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Segundo ele, os parlamentares ficaram insatisfeitos com a fala do ministro Paulo Guedes defendendo a medida na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa

Em entrevista ao Jornal da Manhã nesta segunda (1), o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) afirmou que a reforma da Previdência proposta pelo Planalto perdeu força e “não passa mais no Senado”. Segundo ele, os parlamentares ficaram insatisfeitos com a fala do ministro da Fazenda, Paulo Guedes, defendendo a medida na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa.

 

“Antes, passaria rindo. Hoje não passa mais no Senado”, afirmou o senador. “A discussão do ministro Paulo Guedes com a ministra Kátia Abreu na comissão criou um clima péssimo. A maioria dos senadores está com birra”.

 

Guedes e Kátia Abreu (PDT-GO) bateram boca na última quarta (27) quando o ministro foi interrompido pela senadora enquanto dizia que um político se aposenta com 20 vezes o valor do salário médio de um trabalhador. Os dois divergiram até serem interrompidos pelo presidente da CAE, Omar Aziz (PSD-AM).

 

“Eu que achava que a relação entre Paulo Guedes e Jair Bolsonaro não passaria da festa junina, agora acho que termina antes”, especulou Kajuru. Na reunião de quarta, o ministro chegou a cogitar a saída do governo caso a reforma não seja aprovada no Legislativo. “Vou ficar fazendo o que aqui?”, questionou o chefe da Fazenda.

 

Kajuru também afirmou que o Senado não possui condições de instalar a chamada CPI da Lava Toga, que investigaria desvios administrativos de ministros das cortes superiores de Brasília. O parlamentar criticou o ministro Gilmar Mendes, possivelmente um dos principais alvos da comissão de inquérito a ser criada.

 

“Vamos perder, já sabemos”, afirmou Kajuru. “Mas vamos voltar, não é possível que o Gilmar Mendes, um homem que está infiltrado em tudo nesse país, se ache acima do bem e do mal”.

 

A CPI da Lava Toga foi arquivada pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), após a recomendação da consultoria legislativa da Casa. A determinação, no entanto, não afasta por completo a possibilidade de criação do colegiado. Agora, a Comissão de Constituição e Justiça vai fazer um parecer e o plenário poderá derrubar a decisão.