Polícia intercepta caminhões boiadeiros com quase quatro toneladas de maconha

MIDIAMAX


Foto: Divulgação

Três caminhões de transporte de bovinos foram apreendidos da tarde de ontem (3) na rodovia MS-164, nas proximidades de Dourados,  na localidade conhecida como “Copo Sujo” por policiais militares do  Dof (Departamento de Operações de Fronteira). Os veículos escondiam 3.859 quilos de maconha.

 

 

Durante vistoria dos caminhões  , os condutores  apresentaram versões  diferentes à polícia, sendo que um deles,  relatou que era o dono dos caminhões e que tinham vindo de São Paulo havia oito dias em busca de transporte de gado para frigoríficos da região.

Depois de algum tempo ele confessou que recebeu a proposta de um desconhecido para levar maconha para São Paulo e que após aceitar o trabalho, os caminhões foram entregues para o desconhecido que os devolveu quatro dias depois em um posto de combustíveis em Ponta Porã já com a droga escondida em um fundos falsos. Ao todo seriam pagos R$ 70 mil pela maconha transportada nos caminhões de propriedade dele.

 

 

Com isso todos foram levados para a sede do DOF em Dourados onde os fundos falsos foram abertos e do caminhão Mercedes Benz, amarelo com placas AHA-3480 de Taquarussú (MS), que era conduzido por um homem de  41 anos, foram encontrados 50 fardos com 1.361 quilos de maconha. Ele disse que receberia R$ 12.500 pelo serviço.

 

 

Em outro caminhão da mesma marca da cor amarela, com placas AEI-5E20 de Deodápolis e dirigido por um homem de 52 anos,  foram encontrados 52 fardos que pesaram ao todo 1.236 quilos do entorpecente e ele declarou que também receberia o valor de R$ 12.500.

 

 

 

Já o Mercedes Benz, azul com placas BTO-9985 de Taquarussu,  que era conduzido pelo homem que se apresentou como dono da frota, escondia no fundo falso 38 fardos com 1.262 quilos da droga.

 

 

Segundo depoimento à polícia, os condutores dos caminhões afirmaram que deveriam levar a maconha até a cidade de Atibaia,  no interior paulista,  e entregar em um posto de combustíveis na rodovia Pedro I  e que depois de retirada a droga dos compartimentos, os caminhões seriam devolvidos no mesmo local.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE