Juiz nega liberdade a acusado de ajudar comparsa a matar sogro

MIDIAMAX


Arma usada na ação foi apreendida pela PM. (Divulgação PM)

O juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, negou pedido de revogação da prisão preventiva de Dalmir Fellipe Carvalho da Silva, preso por suspeita de auxiliar o comparsa Ricardo Ribeiro Alves da Silva a matar o sogro Renaldo Luiz Torquato, de 40 anos, no dia 31 de agosto, no Jardim Los Angeles.

 

Conforme denúncia, na noite anterior aos fatos, Ricardo se desentendeu com Renaldo em razão de uma suposta partilha de drogas, motivo pelo qual no dia seguinte voltou ao local e o matou a tiros. Dalmir teria auxiliado dando transporte, parando o carro na frente da casa da vítima, para que o comparsa pudesse atirar e fugir rapidamente.

 

A defesa de Dalmir recorreu alegando que ele não foi autor dos disparos, tem residência fixa e ocupação lícita, bem como não representa perigo para a sociedade e nem risco ao andamento do processo. O promotor de Justiça Douglas Oldegardo Cavalheiro dos Santos, do Ministério Público Estadual, se manifestou contra o recurso.

 

O juiz, por sua vez, considerou o fundamento da prisão em flagrante e o manteve preso. “Por oportuno, a prisão preventiva possui natureza processual penal e não de antecipação de pena. Finalmente, pelas razões acima estão incabíveis as medidas alternativas diversas da prisão. Posto isso […] indefiro os pedidos”, constou em sua decisão.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE